Todo advogado sabe que não é fácil fazer um bom banco de modelos de petições, que atenda as especificidades dos diferentes processos no dia a dia do trabalho jurídico.

Isso exige muito tempo gasto com a pesquisa de petições, organização dos arquivos e também com a atualização das peças conforme mudanças de jurisprudência regional ou alterações em entendimentos de tribunais superiores.:

Porém, com a plataforma certa para advocacia digital, é possível economizar todo esse tempo gasto. Basta um único membro da equipe atualizar ou alterar algum modelo de peça processual no sistema para atualizar para todos usuários da plataforma!

Dessa forma é possível acelerar a produtividade do trabalho jurídico de maneira bem relevante, além de potencializar ainda mais o crescimento do seu escritório com os vários outros recursos das ferramentas de advocacia digital. Clique abaixo e saiba mais! 

 

Se preferir baixar modelo em word editável, clique aqui.


EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(IZA) FEDERAL DA VARA FEDERAL DE MUNICÍPIO/UF.

NOME DO CLIENTE, brasileiro(a), estado civil, ocupação, portador(a) do RG nº, inscrito(a) no CPF sob o nº, residente e domiciliado na Rua , nº , Bairro , Cidade/UF, CEP, vem, mui respeitosamente, através de seu procurador advogado com escritório profissional na Avenida Caldas Júnior, 1705 sala 01, telefone 3684-3081, CEP 95590-000, onde recebe intimações e notificações à presença de Vossa Excelência requerer a presente

AÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA CONCESSÃO DE AMPARO AO IDOSO COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA com fundamento na Constituição Federal, art. 203, V, e na Lei 8742/93, art. 20, § 2º, em face do,

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL, endereço na rua, nº, bairro, município/UF, CEP, ante os motivos de fato e de direito, que a seguir passa a expor e ao final requerer:

I – DOS FATOS

A parte autora é maior de 65 anos, conforme comprova a carteira de identidade anexa a essa petição inicial.

No tocante ao núcleo familiar, cabe ressaltar que residem com a autora seu filho adotivo NOME, nascido em 23/07/1997, seu outro filho NOME, nascido em 06/10/1976, sua nora NOME, nascida em 11/01/1993 e o neto NOME, nascido em 25/04/2013.

Ademais, a autora é viúva, sendo que seu marido faleceu em 05/09/2007, não tendo deixado pensão por morte.

A autora não possui renda própria e necessita do auxílio financeiro de seu filho NOME (o qual não se inclui no cálculo da renda per capta do núcleo familiar) para garantir o mínimo de subsistência.

Dessa forma, devido à dificuldade de se prover, a parte autora requereu ao INSS, em 28/06/2013 (DER), o benefício de Amparo Social ao Idoso, tendo o mesmo sido indeferido pela Autarquia-ré, sob a alegação de que a renda per capta da família é igual ou superior a 1/4 do salário mínimo vigente.

Destarte, buscando a correção de tamanha injustiça, recorre, a parte autora, à via judicial competente. 

II – DOS FUNDAMENTOS

O benefício assistencial, na forma de prestação continuada, está previsto no inciso V do artigo 203 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, in verbis:

Art. 203. A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social, e tem por objetivos:

[…]

V – a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei.

Sua regulamentação se deu por meio da Lei nº 8.742/93 (Lei Orgânica da Assistência Social), que exige, além da comprovação da idade ou da deficiência, que a renda familiar mensal per capta seja inferior a 1/4 do salário mínimo. Nestes termos, os artigos 2º e 20 dispõem:

Art. 2o  A assistência social tem por objetivos: 

I – a proteção social, que visa à garantia da vida, à redução de danos e à prevenção da incidência de riscos, especialmente:[…]

  1. e) a garantia de 1 (um) salário-mínimo de benefício mensal à pessoa com deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção ou de tê-la provida por sua família;  

Art. 20.  O benefício de prestação continuada é a garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.

  • 1º Para os efeitos do disposto no caput, a família é composta pelo requerente, o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.
  • 2º Para efeito de concessão deste benefício, considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.
  • 3º Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.

Ademais, o STJ já pacificou o entendimento de que o critério de aferição da renda mensal previsto no § 3º do art. 20 da Lei nº 8.742/93 deve ser tido como um limite mínimo, um quantum considerado insatisfatório à subsistência da pessoa portadora de deficiência ou idosa, não impedindo, contudo, que o julgador faça uso de outros elementos probatórios, desde que aptos a comprovar a condição de miserabilidade da parte e de sua família (REsp. 841.060/SP, Rel. Min. MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, DJU 25.06.2007).

Salienta-se que, quanto ao requisito idade, a Lei nº 10.741/03 (Estatuto do Idoso) estabelece, em seu art. 34, que:

Art. 34. Aos idosos, a partir de 65 (sessenta e cinco) anos, que não possuam meios para prover sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, é assegurado o benefício mensal de 1 (um) salário-mínimo, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social – Loas. 

Assim, por possuir 66 anos de idade, a parte autora cumpre o primeiro requisito estabelecido para a concessão do benefício assistencial.

Quanto ao segundo requisito, ou seja, a renda familiar per capta inferior a ¼ do salário mínimo vigente, cabe ressaltar que a parte autora também o cumpre, visto que não possui qualquer renda, sendo que a única forma que tem para garantir o mínimo de subsistência é o auxílio financeiro de seu filho, que mesmo recebendo somente R$ 800,00 alcança ajuda para sua mãe.

Ademais, nos termos do § 1º do art. 20 da Lei nº 8.742/93, a renda auferida por este filho, maior, capaz e em união estável com Taís, não deve ser incluída no cálculo da renda per capta, senão vejamos:

  • 1o Para os efeitos do disposto no caput, a família é composta pelo requerente, o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.

Dessa forma, uma vez excluída do cálculo da renda familiar a renda do filho Alexandro, não resta ao grupo familiar qualquer rendimento que possa prover a subsistência do mesmo, sendo indispensável o deferimento do benefício assistencial ora requerido para que se garanta a subsistência mínima, tanto da segurada, como de seu filho menor.

Portanto, não resta dúvida de que a parte autora faz jus à concessão do Benefício Assistencial, em razão da mesma preencher todos os requisitos legais que ensejam tal concessão.

 

III – DA TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA

O artigo 300 do Código de Processo Civil/2015 determina que a tutela de urgência poderá ser
concedida no seguinte caso:

“Art. 300. A tutela de urgência será concedida quando houver elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.”

No caso em análise, deve-se observar, como dito alhures, o preceituado no artigo 5.º da Lei de
Introdução às normas do Direito Brasileiro, estabelecendo que o juiz deve aplicar a lei atendendo aos fins sociais a que ela se dirige; e, como a finalidade do direito previdenciário é propiciar, aos segurados e seus dependentes, os meios indispensáveis à existência digna, a atitude do INSS em cancelar o auxílio-doença, antes do efetivo retorno da capacidade laborativa da Parte Autora, fere frontalmente o sentido teleológico do Direito Previdenciário.

Restando assim claro o direito do autor a concessão da tutela de urgência, tendi em vista sua situação de necessidade.

III – DOS PEDIDOS

 

Diante de todo o exposto, requer a Vossa Excelência:

a) A concessão do benefício da JUSTIÇA GRATUITA, nos termos inciso LXXIV, do art. 5º, da CF/88, Parágrafo único do art. 2º e art. 4º da Lei 1060/50 por tratar-se de pessoa pobre, sem condições de arcar com as despesas do processo e honorários advocatícios, sem que isto lhe venha a causar sérios prejuízos ao sustento de sua família;

b) A citação do INSS, no endereço apontando no preâmbulo, na pessoa de seu Procurador Regional, para querendo, apresentar sua defesa, sob pena de revelia e presunção de verdade quanto aos fatos articulados;

c) A procedência da pretensão aduzida, consoante narrado na inicial, condenando-se ao INSS a conceder o Beneficio Assistencial, nos termos do art. 20 da Lei nº 8.742/93, a contar da data do requerimento administrativo (28/06/2013);

d) A condenação do INSS ao pagamento das parcelas vencidas, acrescidas de correção monetária a partir do vencimento de cada prestação até a efetiva liquidação, respeitada a prescrição quinquenal;

e) A condenação do INSS ao pagamento de honorários advocatícios, na base de 20% sobre a condenação;

 

VALOR DA CAUSA: R$ 00.000,00 (valor por extenso)
(00 parcelas vencidas + 00 vincendas de R$ 000,00 = 00.000,00)

Termos em que pede deferimento.

Município, data

Dr. Eduardo Koetz
Advogado OAB/RS 73.409

[Infográfico]
[Infográfico]
[Ebook Gratuito]
[Ebook Gratuito]