trinador de equipe
Gestão na advocacia

Treinador de Equipe na Autogestão

Vídeo descritivo sobre Treinador de Equipe na Autogestão, em conteúdo da ADVBOX sobre Direito, Tecnologia e Gestão.

Clique aqui para assistir o episódio no Youtube, mas se preferir, segue o roteiro…

Energizar o papel de treinador é uma experiência única. Isso faz você aprender muito sobre as pessoas.

A figura do treinador em equipe traz segurança. As tarefas são bem desenvolvidas e embalam a equipe para aprender muito mais rápido.

Aliás, você já viu algum time em algum esporte ser campeão sem um treinador? Por que você acha que o seu time não precisa de um treinador de equipe para vencer?

Qual a diferença entre ter ou não um treinador de equipe?

Se na sua equipe não tem um treinador você já sabe o que acontece: a maioria do time para de estudar e qualquer plano de treinamentos é abandonado rapidamente. Aos poucos a qualidade do time vai caindo.

Times que possuem treinadores que empreendem rotinas de treinamento e estudo com uma metodologia organizada e consistente crescem com uma velocidade muito maior e evoluem cada vez mais os negócios.

Diferentemente do Líder Operacional, o qual se foca nas métricas e resultados do time, o treinador se foca nas pessoas, conhecimentos, comportamentos e, principalmente, na evolução.

Poderia listar mais uma série de motivos para o seu time ter um treinador de equipe. No entanto, acho que já é suficiente, concorda?

Quais são as tarefas e rotinas de um treinador?

A principal tarefa do treinador é treinar, é claro. Mas como fazer isso?

Dois conhecimentos básicos que o treinador precisa ter é a ANDRAGOGIA e a TAXONOMIA DE BLOOM.

Qual a metodologia da Andragogia?

A Andragogia é uma forma de abordagem da educação paralela à pedagogia. Ela possui o foco na educação de adultos, a qual dá muito mais ênfase à aplicação prática do saber do que ao conteúdo em si.

Ademais, a Andragogia não parte da ideia que o aluno não sabe nada, ao contrário, parte que ele sabe muito e que possui muitas experiências de vida e de profissão. Inclusive, que qualquer novo conhecimento precisa se encaixar e se conectar com tudo que ele já sabe.

Se você quer ensinar algo pra um adulto, precisa ouvir mais do que falar, perguntar mais que do que palestrar.

O que é a Taxonomia de Bloom?

Por outro lado, a Taxonomia de Bloom, é um método didático de aprendizagem de qualquer coisa, qualquer ciência.

Taxonomia significa CLASSIFICAÇÃO. Classifica os níveis de domínio de uma área do conhecimento em 6 fases.

A Taxonomia de Bloom é simples de entender e é sensacional, diga-se de passagem. Entretanto, entendendo a Andragogia e a Taxonomia de Bloom, como você vai organizar o treinamento e as tarefas de treinador?

A ferramenta principal do treinador é o mapa de skills ou mapa de habilidades. Com ele, o treinador irá dar acompanhamento individual e ter uma visão coletiva dos pontos fortes e fracos.

Fica visível no mapa de skills quais são os temas e conteúdos com mais urgência para serem treinados, permitindo fazer um plano coletivo de estudo.

Como mapear skills?

O mapa possui 3 partes:

  1. Performance;
  2. Comportamento;
  3. Habilidades técnicas (hard skills).

Sendo assim, o mapa precisa ser preenchido pelo treinador a partir do que ele já sabe sobre o colega, da percepção do dia a dia, das suas entregas e de conversas que tiverem.

O que é uma reunião one a one?

Após o mapa de todos os colaboradores do setor estarem preenchidos, o treinador marca as reuniões de one a one, de preferência na primeira semana do mês.

A performance é importante para o treinador acompanhar. É papel do Líder Operacional levantar os dados de performance no dia 1º de cada mês e passar essas informações para o treinador, o qual irá avaliar junto com as demais informações que tem sobre aquela pessoa.

Se o líder olha para o resultado, o treinador visualiza a realização das tarefas. É o que chamamos de Ver Feito e Ver Fazendo.

O Ver Feito é uma prática em que o colaborador entrega a tarefa pronta e o treinador revisa tudo, todos os detalhes da tarefa entregue. Por exemplo: uma petição inicial, uma análise de caso ou uma coleta de provas.

Já o Ver Fazendo é quando o treinador acompanha ao vivo a realização da tarefa. Por exemplo: simula uma audiência ou participa como observador; acompanha uma videochamada com o cliente com a câmera e o som fechados; ou até mesmo pedindo para um advogado gravar a tela do computador enquanto faz uma petição inicial.

Assim sendo, inúmeras correções e melhorias saem dessa prática.

Como traçar o perfil comportamental dos colaboradores?

Em relação a parte comportamental, o treinador vai relembrar como o colaborador foi ao longo do mês e como foram os comentários espontâneos de clientes e colegas sobre ele.

A observação diária do treinador também conta.

Autoavaliação

Aqui na ADVBOX nós temos um método que tem sido muito eficaz para isso que é uma auto avaliação do próprio funcionário dar nota sobre o seu comportamento em relação aos valores e anti valores da cultura da empresa.

Por exemplo, o valor Mérito Coletivo é um valor importante aqui. Então o treinador pergunta:

“Esse mês, você considera que agiu e teve iniciativas em conformidade com o valor mérito coletivo?”

E deixa o colaborador falar o que pensa, sem criticar e sem fazer considerações. Então registra a nota dada por ele mesmo no mapa de skills.

Somente quando a resposta for muito distante da percepção do treinador que haverá um feedback sutil, indicando um fato e pedindo a reflexão sobre o fato, por exemplo:

“Sabe aquele processo que você falou que ganhou? Você enviou mensagens no grupo falando que graças ao seu recurso que conseguimos ganhar. Porém, reflete que sem o trabalho dos colegas do fechamento de contratos, da coleta de provas e da instrução probatória, nem teria chegado ao recurso. Talvez a forma de falar tenha desmecerido o trabalho dos colegas, entende?

Essa auto avaliação com reflexão é suficiente para fortalecer e alinhar o time com a cultura. A reunião one a one irá dar ênfase as habilidades técnicas do colaborador.

Habilidades técnicas

Se ele é um advogado trabalhista, por exemplo, é preciso listar os conteúdos de Direito Material do Trabalho, Direito Processual do Trabalho, Direito Processual Civil, Execução Trabalhista e outros que entender necessários.

Por outro lado, se ele é um analista de marketing jurídico, então os conteúdos serão outros, como: programar um site em wordpress, escrever conteúdo com SEO, produzir conteúdo para redes sociais, acompanhar métricas de geração de leads, criar uma landing page e assim por diante.

Como se elabora um Plano de Ação?

A cada mês o treinador irá reavaliar com o colaborador a sua capacidade técnica e ao final de toda one a one irá emitir ou atualizar um Plano de Ação e Estudos.

Este plano é o produto principal do trabalho do treinador. Ele pode e deve estar em conformidade com o PDI (Plano de Desenvolvimento Individual), devendo ser muito cobrado do colaborador que avance.

Confiança emocional

Por fim, é legal ter um momento de atenção para o emocional. O colaborador vai ganhando pouco a pouco confiança no treinador para se abrir e contar seus desejos e ambições, seus problemas pessoais e dificuldades com franqueza.

Mas, claro, sem virar uma sessão de terapia. É mais parecido com um bate papo entre amigos.

Aliás, um treinador tem que saber guardar segredo. A confiança na sua pessoa está sendo posta em prova na medida que as pessoas se abrem para ele nesse momento.

A confiança não só da pessoa que revela algo pessoal, mas de todos os colegas e diretores, pois quem não consegue guardar segredo de um, não guarda de nada.

Para finalizar, se o mapa de skills é a ferramenta de trabalho do treinador, o PDI é a planta da construção, o projeto da obra que precisa ser construída.

Mas qual obra? Uma equipe de alto nível de competência.

E será que vale a pena criar o papel de treinador no meu negócio?

Com certeza, não importa o tamanho da sua equipe, sempre valerá a pena. O treinador é um papel que mesmo que você não queira crescer deve ter.

O ideal é que seja um treinador para cada setor do escritório. Sendo assim, o treinador não é gerente, é apenas um papel a ser energizado por alguém do time durante o período de 1 ano, servindo para vivenciar algumas responsabilidades de liderança mais comportamentais e aguentar um pouco mais de pressão do que o colaborador operacional iniciante.

Após os colaboradores vivenciarem os papéis de Líder Operacional e treinador, ele poderá saber se tem aptidão e vontade de ser um líder ou se prefere voltar para a sua função operacional e se desenvolver como um expert nela, ao mesmo tempo que os sócios do escritório poderão identificar quem tem mais capacidade de liderança e pensar até mesmo em escolher como gerente ou futuro sócio.

Treinador de Equipe na Autogestão

ADVBOX trará novos conhecimentos sobre Direito, Tecnologia e Gestão, apresentando temas inovadores para advogados e advogadas pensarem na sua profissão com uma visão aprimorada de negócios.

O programa será composto por episódios que vão ao ar todas as terças-feirasàs 17h.

Não perca essa oportunidade de aprimorar seus conhecimentos, inscreva-se no Canal do Youtube da ADVBOX e ative o sino para ser notificado de todos os episódios!

treinador de equipe
Autor
Comunicação & Conteúdos

Equipe ADVBOX

Postagens Relacionadas