dupla liderança
Gestão de Equipes e Liderança

Entenda sobre dupla Liderança na Gestão

Vídeo descritivo sobre Dupla Liderança na Gestão, em conteúdo da ADVBOX sobre Direito, Tecnologia e Gestão.

Clique aqui para assistir o episódio no Youtube, mas se preferir, segue o roteiro…

Um das coisas que gestores inteligentes percebem rápido é que o famoso “eu que mando aqui” é pura ilusão. Aliás, quanto mais autoritário, menos eficaz suas ordens.

O time não se engaja nas decisões que são tomadas de forma individual e a empresa não cresce.

O que é a dupla liderança?

Se concentrar em fortalecer a cultura, os valores e compartilhar o poder de decisão gera muito mais engajamento. O jeito de fazer isso é criar a dupla liderança.

Sendo assim, nesse artigo vamos revelar o que é e como funciona a dupla liderança, bem como se ela funciona na advocacia e se vale a pena ou não implementar no seu escritório.

Como funciona a dupla liderança?

A dupla liderança é uma tendência. No entanto, como ela funciona? Isso não vai gerar confusão? Será que os líderes não vão se confrontar?

O principal modelo de dupla liderança é de compartilhamento de poder. Cada círculo, departamento ou setor possui dois decisores para a operação inteira.

O gerente e o supervisor ou então o Líder Operacional e o Coordenador.

É verdade que nesse modelo podem haver conflitos de interesses. Aliás, aqui na ADVBOX foi assim no nosso primeiro ano.

Diante de tal fato, mudamos para definir o objetivo de trabalho de cada um e adotamos um modelo de Líder Operacional e Treinador.

Nesse outro modelo, dividimos as responsabilidade em duas:

  • O Líder Operacional cuida da operação, das métricas e metas. Foca em fazer o resultado acontecer;
  • O Treinador cuida das pessoas do setor, da aderência à cultura, das habilidades e, claro, do treinamento.

Assim sendo, notamos que a ADVBOX deu um salto de qualidade em 2022 ao adotarmos esse modelo. Os papéis de liderança ficaram mais claro para todos, inclusive para os líderes, e o engajamento na operação e no nosso PDI (Plano de Desenvolvimento Individual) foi maior ainda.

Qual papel de um Líder Operacional?

Ademais, o Líder Operacional puxa a operação. Sua principal função é verificar se todas as tarefas estão sendo realizadas e se os membros do seu setor estão sem barreiras ou impedimentos para trabalhar.

Sua ferramenta de gerenciamento é a Planilha Operacional. Uma planilha onde são elegidas as métricas principais do setor, tensões criativas e projetos.

Essa planilha conduz as reuniões do círculo para que elas sejam rápidas e eficientes, as quais devem ser conduzidas pelo Líder e podem ocorrer de forma semanal ou quinzenal em um momento inicial de implementação da governança, mas depois do time amadurecer pode ser mensal.

Ainda, o Líder é quem conduz a seleção de papéis operacionais buscando apoio da equipe para cobrir todas as tarefas e objetivos do setor.

Nas reuniões, quando surgem tensões ou novas demandas, o Líder Operacional conduz a formação de propostas e submete para que o time faça a tomada de decisão por consentimento, quando a gestão é horizontal ou toma a decisão e informa o time quando a gestão é vertical.

Ademais, o Líder é responsável por fazer a revisão mensal das tarefas, olhando tudo que os membros do círculo realizaram no mês e avaliando a produtividade de cada um.

Assim sendo, em caso de baixa produtividade de algum membro do time, é o Líder que dá o feedback de produtividade.

O que faz um Treinador de equipe?

Sendo assim, se o Líder Operacional puxa a operação, o Treinador puxa a equipe.

A sua responsabilidade é fazer as pessoas evoluírem na profissão, cumprirem as tarefas do PDI, acompanhar a performance de cada um e dar uma atenção ao comportamental alinhado com a Cultura, além de dar atenção para o emocional dos colaboradores, ouvindo e aconselhando.

É importante que o treinador, além de ser mais experiente, seja também mais maduro.

A ferramenta de gerenciamento do treinador é o Mapa de Skills. Cada setor tem seu mapa de skills, com uma planilha para todos os membros e mais uma planilha para cada colaborador do setor.

Nesta planilha sugerimos a inclusão de métricas individuais:

  1. Performance;
  2. Comportamento;
  3. Hard Skills necessárias ao setor e aos papéis.

O que é reunião one one?

Ainda, o Treinador atua nas reuniões de one one. As reuniões de one one são reuniões individuais e privadas com cada colaborador, elas levam cerca de 1 hora e são um espaço seguro de fala.

Os colaboradores podem se abrir neste momento, falar de problemas pessoais, comentar de dificuldades que estão vivendo, de tudo que quiserem, bem como podem elogiar colegas, falar bem do setor e do Líder e de si mesmos, o quanto sentem que estão crescendo ou não.

É incrível como este procedimento motiva as pessoas a se engajarem mais e permite um amadurecimento coletivo.

É possível a dupla liderança na advocacia?

Entretanto, será que essa dupla liderança funciona na advocacia?

Nos escritórios maiores com mais de 20 pessoas o resultado tem sido espetacular. A carga de responsabilidade que gerava estresse em um Líder é bastante aliviada e as demandas de Líder e Treinador são desenvolvidas com muito mais eficácia.

Nós tivemos relatos de 15 CEO’s de escritórios que em dois meses após criarem a dupla liderança ganharam segurança para fazer o escritório crescer e que o tempo como gestores e suas demandas mudaram.

Qual é a função do CEO?

Uma das vantagens é que o CEO deixa de fazer um microgerenciamento de todos e passa a ser uma espécie de Treinador dos seu líderes.

Treinadores e Líderes Operacionais recorrem ao CEO para resolver os problemas mais complexos e é até divertido ver os outros quebrando a cabeça para resolver os pepinos do dia a dia que caiam sempre no colo do CEO.

Como funciona a dupla Liderança em pequenos escritórios?

Já para escritórios pequenos, sem setorização, ou que se dividem apenas em comercial e back office, nós ainda não concluímos se vale mesmo a pena ou não a dupla liderança.

Podemos dizer que como preparação para o crescimento futuro é uma boa iniciativa, assim como para formar líderes e dividir as responsabilidades.

Portanto, a nossa opinião é que em um escritório pequeno, entre 5 e 10 pessoas, deve ser proposto para a equipe a escolha de um Líder Operacional e um Treinador para equipe toda.

Quais os benefícios da dupla liderança?

As vantagens da dupla liderança são muitas:

  • Maior engajamento da equipe;
  • Maior compartilhamento de poder e responsabilidade;
  • Menos microgerenciamento;
  • Menos stress para o gestor e mais tempo livre;
  • Crescimento mais natural e sem dores.

Qual é o salário de um líder de equipe?

Como Líder Operacional e Treinador não são cargos, mas apenas um conjunto pequeno de tarefas que tomará, digamos, o equivalente a dois dias de trabalho no mês, não há aumento de salário ou gratificação pelo seu desempenho.

Até porque se houvesse aumento de salário inviabilizaria a alternância de poder. Sendo assim, no máximo, as tarefas de liderança devem computar pontos no Taskscore (Sistema de Pontuação por Tarefas) e contabilizar para o resultado da produtividade destes lideres.

Por este motivo sugerimos que experimente o modelo de dupla liderança e também fale com nossos consultores para obter mais informações sobre o tema e como aplicar na prática utilizando a pontuação por tarefas, a qual é uma ferramenta muito útil para o exercício da liderança, assim como várias outras funcionalidades da ADVBOX.

Dupla Liderança na Gestão

ADVBOX trará novos conhecimentos sobre Direito, Tecnologia e Gestão, apresentando temas inovadores para advogados e advogadas pensarem na sua profissão com uma visão aprimorada de negócios.

O programa será composto por episódios que vão ao ar todas as terças-feirasàs 17h.

Não perca essa oportunidade de aprimorar seus conhecimentos, inscreva-se no Canal do Youtube da ADVBOX e ative o sino para ser notificado de todos os episódios!

Autor
Foto - Eduardo Koetz
Eduardo Koetz

Eduardo Koetz é advogado, escritor, sócio e fundador da Koetz Advocacia e CEO da empresa de software jurídico Advbox.

Possui bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Possui tanto registros na Ordem dos Advogados do Brasil - OAB (OAB/SC 42.934, OAB/RS 73.409, OAB/PR 72.951, OAB/SP 435.266, OAB/MG 204.531, OAB/MG 204.531), como na Ordem dos Advogados de Portugal - OA ( OA/Portugal 69.512L).
É pós-graduado em Direito do Trabalho pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011- 2012) e em Direito Tributário pela Escola Superior da Magistratura Federal ESMAFE (2013 - 2014).

Atua como um dos principais gestores da Koetz Advocacia realizando a supervisão e liderança em todos os setores do escritório. Em 2021, Eduardo publicou o livro intitulado: Otimizado - O escritório como empresa escalável pela editora Viseu.

Postagens Relacionadas