Os embargos de declaração, também são conhecidos como  embargos declaratórios e  são um tipo de recurso existente nos processos judiciais, utilizados para pedir um esclarecimento quando uma decisão dada em um processo não é clara ou quando deixa dúvidas sobre o que foi decidido.

O  Novo CPC introduziu os embargos de declaração no rol de possibilidade recursais e também trouxe algumas modificações significativas em relação às suas hipóteses e disposições. Além de incluir duas novas possibilidades para os embargos ainda  definiu prazos diferentes para essa peça recursal. 

Inegavelmente, para o advogado é muito importante conhecer as peculiaridades e aplicações dos recursos, já que, sendo parte autora ou ré terá que trabalhar com algumas possibilidades e pode utilizar os embargos, por exemplo, para clarificar o seu trabalho. 

Principais características da peça de embargos de declaração 

Os embargos de declaração são um instrumento jurídico por meio do qual uma das partes pode pedir esclarecimentos ao juiz ou tribunal sobre a decisão judicial proferida. Através dos embargos será possível solucionar  dúvidas causadas por contradições ou obscuridades. Ainda é viável  suprir omissões ou até apontar erros materiais.

No pedido dos Embargos de Declaração, o magistrado poderá exercer o juízo de retratação, ou seja, sanar alguma lacuna existente em seu pronunciamento, a pedido de uma das partes.

Os Embargos Declaratórios estão previstos no art. 1.022 do NCPC (antigo art. 535 do CPC de 1973):

Art. 1.022. Cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para:

I – esclarecer obscuridade ou eliminar contradição;

II – suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento;

III – corrigir erro material

Assim, vale deixar claro que a função dos Embargos de Declaração será de corrigir uma falha, e de forma alguma alterar o conteúdo decisório de um pronunciamento judicial.

Requisitos dos Embargos de Declaração  

Segundo nos diz a Lei cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para: I – esclarecer obscuridade ou eliminar contradição; II – suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento; III – corrigir erro material.

Portanto, o advogado deve vislumbrar tais falas e requerer os embargos, endereçados para próprio órgão que prolatou a decisão. O prazo dos embargos de declaração é de 5 dias. Vale lembrar que a regra muda no n Código de Processo Penal , onde o prazo é de 2 dias e por isso é chamado de “embarguinhos”. Vejamos a lei: 

Art. 1.023. Os embargos serão opostos, no prazo de 5 (cinco) dias, em petição dirigida ao juiz, com indicação do erro, obscuridade, contradição ou omissão, e não se sujeitam a preparo.

Vale ressaltar que a parte não arcará com nenhum ônus para a interposição desse tipo de recurso, ou seja, a lei informa que não se sujeitam a preparo, e por isso, são isentos de custas.A petição deve ser dirigida ao juiz, com a indicação do erro, obscuridade, contradição ou omissão.

Todavia, uma peculiaridade importante é que caberá interposição de  Embargos até mesmo de uma decisão que julgou anteriormente outros Embargos Declaratórios, desde que ainda persista a omissão, contradição ou obscuridade, e que esse fato seja demonstrado na peça processual.

Os embargos declaratórios e o Novo CPC 

Uma das principais modificações no Novo Código, em relação a essa peça, foi sobre seus efeitos. Os Embargos Declaratórios não impõem nenhum tipo de efeito suspensivo, nos termos do caput do art. 1.026 do Novo CPC . O que pode acontecer, é que outro recurso cabível contra a decisão embargada tenha efeito suspensivo. 

Além disso, a interposição dos embargos interrompem o prazo para aviamento de qualquer outro recurso.

Também é  importante observar que o art. 1.022, CPC/2015, apresenta inovações em relação ao art. 535, CPC/1973. Era a redação do artigo Art. 535 da seguinte forma: 

Cabem embargos de declaração quando houver, na sentença ou no acórdão, obscuridade ou contradição ou for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou tribunal.

O art. 1.022, Novo CPC, portanto, insere duas novas hipóteses: a correção de erro material e a abrangência de toda decisão judicial. O artigo 523, CPC/1973,  restringia a aplicação do recurso, como se observa, à sentença ou ao acórdão.

E qual o recurso cabível se os embargos de declaração forem rejeitados?

No caso  de os embargos de declaração forem rejeitados o recurso cabível é a apelação. De acordo com a jurisprudência é possível interpor um recurso de apelação para o Tribunal.

Similarmente um  ponto muito importante a ser discutido sobre o tema é a questão da utilização dos embargos como forma de a criar uma situação protelatória, o que pode gerar muitos problemas para o cliente e, inclusive sanção financeira. Esse hábito é duramente criticado pelo mundo jurídico e, apesar de parecer uma solução imediata para o cliente que “ganha tempo”, poderá a longo prazo comprometer todo um trabalho, por isso, deve ser evitado. 

Para o advogado que pretende ter um crescimento profissional e se destacar no mercado jurídico, que sabemos que hoje está muito concorrido, estar atualizado e ganhar tempo para se dedicar ao trabalho intelectual é imprescindível! 

No entanto, para o uso de peças processuais online, é preciso ter cuidado e não confiar o seu nome e profissionalismo a uma pesquisa de internet, sendo necessária uma ferramenta de confiança. 

Nesse contexto a  tecnologia pode ser uma grande aliada, especialmente através do uso de softwares jurídicos de qualidade.

Como criar um modelo automatizado de peças processuais e melhorar seu desempenho profissional com o ADVBOX

A advocacia digital é uma tendência que já faz parte do cotidiano profissional de milhares de advogados, que usufruem da possibilidade de automatizar parte dos serviços e focarem sua dedicação no que realmente demanda empenho intelectual. 

Sobretudo a geração de petições e peças processuais, que podem ser atualizadas e melhoradas continuamente é uma das vantagens de trabalhar com um software jurídico, como o ADVBOX.

Certamente, com o programa será possível realizar a gestão do conhecimento em escritórios de advocacia e criar uma biblioteca de petições digital, além de incluir outros programas que facilitem o dia do advogado e aliviem o trabalho massivo, que demanda tempo e rouba produtividade. 

Com o banco de petições é possível acessar peças, como os embargos declaratórios e utilizá-los de maneira rápida, adequando ao processo e com a garantia de leis e jurisprudências atualizadas. 

Mas se você é novo nos sistemas tecnológicos, não se preocupe! A ADVBOX oferece uma equipe especializada, que ajudará em todo o processo de transição, garantindo o uso efetivo do programa, com rapidez e confiabilidade. 

Acesse aqui e conheça mais sobre nosso software jurídico. 


Eduardo Koetz

CEO da ADVBOX . Advogado e Professor de Pós Graduação. Especialista em Gestão Digital de Escritórios de Advocacia, equipes não presenciais, marketing jurídico digital e estratégia.