homem analisando planilhas sobre a mesa em post sobre direitos trabalhistas
Direito

Fortalecendo a confiança e o comprometimento dos funcionários através dos direitos trabalhistas

Qualquer empresa que preza por uma boa gestão deve ter em mente a importância de estar em ordem com os direitos trabalhistas. 

Não apenas por uma questão de conformidade legal, mas também pelo impacto direto que isso tem na produtividade, na satisfação dos colaboradores e na reputação da organização. 

Assim, uma política clara e consistente em relação às garantias empregatícias fortalece a confiança e o comprometimento dos funcionários e reduz o risco de litígios e conflitos que podem prejudicar a imagem e o desempenho organizacional. 

Quais são os principais direitos trabalhistas?

Os direitos trabalhistas representam mais do que simples leis; também dizem respeito à proteção e ao bem-estar dos profissionais em todo o mundo.

Ao longo da história, essas conquistas evoluíram como resultado de lutas sindicais, movimentos sociais e legislações que buscaram assegurar acordos dignos e justos de trabalho. 

Os principais benefícios laborais, são:

  • Recebimento de um salário adequado à sua função e qualificações, conforme estabelecido pela legislação trabalhista ou por acordos coletivos;
  • Jornada laboral que não exceda os limites determinados pelo estatuto. Geralmente, contém um número máximo de horas diárias e semanais, bem como períodos de descanso obrigatórios;
  • Período anual de férias remuneradas, proporcionais ao tempo de serviço prestado à empresa;
  • Ambiente profissional seguro e saudável;
  • Licenças compensadas para cuidar do recém-nascido, permitindo que possam se dedicar aos cuidados com o filho nos primeiros meses de vida, sem prejuízo do seu rendimento e ofício;
  • O décimo terceiro salário – gratificação prometida por norma, que consiste no pagamento de um valor extra ao trabalhador no final do ano, com base na remuneração recebida ao longo do ano;
  • Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – depósitos mensais realizados pelo chefe em uma conta vinculada em nome do funcionário, para resguardar uma reserva financeira para situações como demissão sem justa causa, aquisição da casa própria, entre outras;
  • Seguro-desemprego – benefício temporário oferecido ao operário desempregado, para proporcionar uma assistência financeira durante o período de transição entre ocupação, desde que preenchidos os requisitos legais instituídos pelo estatuto;
  • Liberdade de se organizar em sindicatos e participar de negociações coletivas em prol de melhores condições no emprego;
  • Tratamento de forma digna e igualitária, sem sofrer discriminação por motivos como raça, gênero, religião, orientação sexual, idade, entre outros. Sendo considerado algo ilegal e passível de punição pela legislação.

A Consolidação das Leis do Trabalho

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é um dos principais marcos legislativos relacionados aos direitos laborais em muitos países, incluindo o Brasil. 

Ela foi criada em 1943 para regular as relações empregatícias entre empregadores e empregados, garantindo proteção e estabelecendo obrigações para ambas as partes.

O documento abrange várias questões ocupacionais e ao longo dos anos passou por alterações e atualizações para se adequar às mudanças na sociedade e no mercado de trabalho.

No entanto, mesmo com sua abrangência, essa regulamentação pode ser complementada por convenções coletivas, acordos individuais e outras normas específicas de cada setor ou região.

Apesar de ser um marco importante, a CLT ainda enfrenta debates e críticas de quem acredita que ela pode ser inadequada para os desafios da atualidade. Alguns defendem que reformas são necessárias para tornar as relações laborais mais flexíveis e adaptáveis às novas realidades econômicas e sociais.

Como saber dos meus direitos trabalhistas?

As principais informações sobre os direitos trabalhistas estão inclusas nas legislações da CLT.

No entanto, além de se familiarizar com a legislação empregatícia do país, é importante também estar atento aos contratos e suas nuances. 

Isso porque, esses documentos podem conter cláusulas detalhadas que regem as condições do emprego, os benefícios concedidos e outras concessões certificadas aos assalariados.

Em casos de outras dúvidas sobre o assunto, é possível buscar por informações em fontes confiáveis, como sites oficiais de órgãos governamentais, associações de trabalhadores ou mesmo consultorias especializadas em Direito do trabalho.  

Além disso, é útil estar aberto ao diálogo com colegas de profissão, sindicalistas e especialistas de recursos humanos, que podem compartilhar experiências, esclarecer dúvidas e fornecer orientações sobre questões ocupacionais.

Quais são os direitos e deveres dos trabalhadores?

As prerrogativas dos colaboradores englobam diversos benefícios e garantias que visam certificar de circunstâncias dignas e justas de labor. 

Como mencionado, isso contém, por exemplo, o acesso ao salário mínimo, horas extras, férias remuneradas, licença maternidade e paternidade, além de incentivos como vale-transporte, vale-refeição e assistência médica. 

Além disso, os trabalhadores têm o direito à segurança no espaço profissional, assegurando que estejam protegidos contra acidentes e doenças ocupacionais. 

Da mesma forma, a liberdade de associação sindical também é direito deles, permitindo que se organizem coletivamente para defender seus interesses e negociar melhores condições de serviço.

Por outro lado, os deveres dos funcionários são igualmente importantes para manter um cenário produtivo e harmonioso. 

Entre esses deveres, podemos citar o cumprimento das ordens e instruções do empregador, a responsabilidade de zelar pelos bens da empresa, ser assíduo e pontual, e também manter uma conduta profissional.

Nesses requisitos, entendemos que é importante que os assalariados realizem as tarefas atribuídas de acordo com as orientações recebidas, seguindo procedimentos e normas estabelecidas pelo negócio, e cuidem adequadamente dos equipamentos disponíveis, resguardando sua conservação e uso correto.

Ademais, a frequência regular é vista como algo essencial para o cumprimento da rotina e carga horária. Nesse sentindo, é indispensável também agir de maneira ética, respeitosa e responsável no trabalho. 

Como, por exemplo, tratar colegas, clientes e superiores com cortesia, respeito e colaboração, evitando comportamentos inadequados que possam comprometer o profissionalismo ou a reputação do escritório.

Quais motivos para denunciar uma empresa?

O funcionário tem a autorização de recorrer à Justiça quando se depara com situações em que seus direitos trabalhistas são violados pela empresa. 

No entanto, é necessário reunir evidências e buscar orientação jurídica adequada para entender suas prerrogativas e as medidas legais disponíveis para protegê-los. 

Essas violações podem abranger uma variedade de questões, como:

  • Não pagamento de salário: se o empregador deixar de pagar a remuneração conforme acordado ou atrasar sistematicamente os pagamentos;
  • Horas extras não compensadas: quando o assalariado realizar sobreaviso além do limite legal ou contratual e não receber o valor correspondente;
  • Assédio moral ou sexual: se o colaborador for vítima de assédio moral ou sexual no local de trabalho;
  • Condições laborais inadequadas: no caso de o escritório não fornecer circunstâncias seguras e saudáveis, como equipamentos de proteção, treinamento apropriado ou ambiente livre de riscos;
  • Descumprimento de benefícios e direitos trabalhistas: quando a firma não cumprir com os deveres garantidos por lei ou estabelecidos em contrato.

Benefícios adicionais 

Algumas empresas concedem incentivos adicionais, que vão além das prerrogativas básicas instituídas pela lei.

Esses direitos extras são normalmente negociados entre os sindicatos e os empregadores por meio de convenções coletivas ou contratos de individuais.  

Esses adicionais são uma forma que as organizações pode usar como forma de valorizar e incentivar seus funcionários, promovendo condições mais satisfatórias e produtivas. No entanto, elas podem variar conforme o setor, a organização e até mesmo o país.

Os benefícios complementares mais comuns, incluem:

  • Plano de saúde para seus empregados e, em alguns casos, também para seus dependentes;
  • Seguro de vida, proporcionando proteção financeira para os familiares em caso de falecimento do trabalhador, assegurando o pagamento de um valor predeterminado;
  • Auxílio-creche para servidores com filhos pequenos, disponibilizando reembolso parcial ou total das despesas com creches, ou babás;
  • Bônus e prêmios como reconhecimento por pelo desempenho, alcance de metas ou contribuições significativas para o sucesso do negócio;
  • Horários flexíveis, permitindo que os colaboradores ajustem sua jornada de acordo com suas necessidades pessoais e profissionais;
  • Descontos em produtos ou serviços, por meio de parcerias feitas pela firma.

Mais conhecimento para você!

Por aqui estamos sempre abordando assuntos quentes e relevantes para os profissionais do Direito. Confira outros textos que também podem te interessar:

Alta produtividade na advocacia
Como criar o setor comercial do seu escritório de advocacia? Confira 7 dicas!
Software Jurídico: 17 critérios fundamentais para encontrar o melhor!
O que é a Controladoria Jurídica e como funciona
Escritórios com filiais, correspondentes e parceiros fixos
Advocacia baseada em dados
Automatize a produção de suas petições
Autor
Comunicação & Conteúdos

Equipe ADVBOX

Postagens Relacionadas