Tempo de leitura 2 Minutos

O mundo mudou. E continua mudando. Novas tecnologias vem criando um campo fértil para o surgimento de uma nova mentalidade com um grande potencial transformador.

 

Uma nova economia vem surgindo. Uma economia colaborativa, criativa, sustentável. Cada vez mais pessoas estão percebendo que o mundo está se organizando de forma diferente. Sempre estivemos naturalmente conectados, mas por anos acreditamos que a divisão era a regra. Criamos formas de nos separar que são fantasiosas e com isso sufocamos, por muito tempo, a grande força do todo.

 

Mas agora a ficha caiu e essa força, através da colaboração, criatividade, horizontalidade, sustentabilidade e outros, está ressurgindo e mudando muita coisa. E o exercício da advocacia será que vai ficar imune a isso?

 

Paul Baron, em 1964, em meio à Guerra Fria, buscando demonstrar a eficácia de uma rede de comunicação distribuída, apresentou ao mundo uma forma de comunicação de dados que seria a base da internet que conhecemos hoje. Uma rede descentralizada onde todos os pontos estão conectados com todos os pontos. Essa era a rede distribuída de Baron, sendo os outros formatos a Centralizada e Descentralizada, as quais remetem ao sistema de Comando e Controle, calcadas no paradigma da escassez.

 

A ilustração de Baron hoje é utilizada para explicitar a forma como nos organizamos. Seja em uma ONG, Instituição, Empresa, grupos ou até mesmo em um Estado, onde a rede centralizada seria o modelo monárquico, a descentralizada o presidencialismo.

 

Quando a percepção está calcada em uma rede distribuída, as possibilidades aumentam exponencialmente na medida que o número de conexões são extremamente maiores. Os processos em busca dos objetivos deixam de pertencer unicamente a uma unidade superior que desenha os procedimentos a serem adotados rigorosamente por aqueles que estão hierarquicamente abaixo e passam a fazer parte da rede, através do propósito e habilidades daqueles que estão conectados ao processo.

 

Na advocacia são muitos os profissionais que atuam em áreas descondizentes com suas habilidades, tornando o exercício da profissão pesado, afinal “remar contra a maré” cansa.

 

A percepção da advocacia em rede busca conectar profissionais através dos seus propósitos para a realização de projetos, atuação, representação, suporte, enfim, conectar.

 

Inúmeras são as plataformas existente hoje no mercado que permite um trabalho compartilhado por advogados. O Google Drive, por exemplo, possibilita a permuta imediata  de arquivos e a confecção compartilhada de documentos ou planilhas em tempo real. Sem falar das reuniões através de Hangout por um custo extremamente baixo.

 

Cada vez menos importa, para o exercício da profissão, o advogado especialista naquele caso estar próximo geograficamente. As audiências por videoconferência já são uma realidade em muitos tribunais. Os processos são virtuais.

 

A ADVBOX, é uma plataforma desenvolvida para advogados intimamente conectada com essa nova percepção. Determinados clientes poderão ser compartilhados com um clique com outros advogados, independentemente de onde estejam, para que possam emitir seus pareceres ou atuar diretamente naquele caso.

 

Os documentos digitalizados e armazenados em nuvem permite acesso imediato por todos os envolvidos. Com registro de atividades e históricos de clientes, o processo logístico para atendimento se torna extremamente eficaz.

 

É a tecnologia desenvolvendo um campo fértil para uma nova mentalidade transformadora, também, no exercício da advocacia.

 


Rodolfo Accadrolli

Rodolfo Accadrolli Neto é advogado pós-graduado em Direito Previdenciário, Consultor Empresarial pela Integras,  profissionalizante em Marketing e apaixonado por Inovação, Tecnologia e Advocacia em Rede.

[Infográfico]
[Infográfico]
[Ebook Gratuito]
[Ebook Gratuito]