fbpx

Você tem alguma rede social? Usa ela como canal de atendimento? Faz marketing digital pela internet? Certifique-se de que seu conteúdo é feito para atrair clientes, não outros advogados!

Peças de xadrez sobre um tabuleiro preto com palavras como "leads, prospecções e clientes". Representa o uso de estratégias para atrair clientes.

Certamente o futuro da advocacia (se não o presente) é digital. Mas, como atrair clientes pela internet? Basicamente, escrevendo e mostrando coisas de seu interesse. Nas redes sociais todos estão conectados e compartilhando uma infinidade de informações. Como saber o que seu cliente quer ver?

Muitas páginas jurídicas compartilham informações diariamente. Porém, deve-se analisar primeiramente a veracidade das informações. De outro lado, a relevância da informação deve ser verificada também, pois de nada adianta compartilhar um conteúdo que não vai ser lido por seu publico alvo.

Marketing jurídico para atrair clientes

O marketing jurídico digital vem se difundindo no cenário atual da advocacia. Mas você realmente sabe o que é e como fazer?

A primeira diferenciação que temos que fazer é marketing digital e atendimento. Ambos podem se dar por mídias digitais, mas são coisas distintas. O atendimento via redes sociais engloba ter canais de comunicação para clientes novos ou antigos localizarem o escritório. Seja para conseguir o endereço, telefone, ou até sanar alguma dúvida via chat.

Já o marketing jurídico digital é uma forma de atrair seus clientes pela internet. Ou seja, não basta ter presença digital. Você deve ainda estudar e aplicar essas estratégias de produção de conteúdo. Só assim atingirá o público certo, fazendo com que eles busquem a informação com o escritório.

Se seu escritório ainda não tem redes sociais e site, certamente está nos seus planos esse investimento. Se já tem, como você produz conteúdo? Com todas as limitações da OAB fica difícil saber o que pode ou não fazer. Assim, é comum que os escritórios produzam conteúdo jurídico a partir de notícias. Ou, ainda, compartilhem decisões e postagens de páginas de tribunais, conselhos ou da própria OAB.

Conteúdo para advogados traz resultado?

O conteúdo dessas publicações é rico, traz informações valiosas e muito bem estudadas. Porém, são destinadas a advogados e demais operadores do direito. Assim, se compartilhadas, vão atrair esse público, o que não é tão interessante para o seu escritório. Apesar de demonstrar aos colegas advogados seu amplo saber jurídico, para seu cliente o compartilhamento não fará sentido, pois ele não compreende o teor na linguagem jurídica em que está escrita a postagem.

Agora pense: seu cliente entende o que é uma jurisprudência? Ou ainda, seu cliente entende o que na prática quer dizer a alteração em alguma legislação?

Via de regra, não. Você precisa “traduzir” o juridiquês para que seu cliente realmente entenda a implicância prática do direito em sua vida, pois foi por isso que estudou o mundo fascinante que é o direito.

O que, de fato, seu cliente quer ler? Uma notícia formal ou a resolução de seu problema?

Compartilhando notícias jurídicas em linguagem jurídica e rebuscada, própria do exercício da profissão você irá atrair apenas outros juristas, pois somente eles detêm o conhecimento necessário para compreender o teor da postagem.

Não foi por acaso os anos estudados e todo o conhecimento adquirido para compreender as normas jurídicas e suas implicâncias, e certamente a ideia dos tribunais e conselhos é difundir as informações para os juristas que atendem à população em geral.

Simplifique sua mensagem

Para o seu cliente, que é leigo no assunto, citar uma alteração em artigo de lei não fará qualquer sentido. Portanto, quando se fala em marketing jurídico digital deve-se ter em mente que seu público alvo é o cliente, que não compreende a linguagem jurídica. Para ele, seu direito deve ser explicado da maneira mais clara possível, pois precisa de soluções para seus problemas, não necessariamente de uma aula de direito.

A linguagem formal e rebuscada deve ser deixada para a produção jurídica, que exige conhecimento técnico para a criação das teses. Nas petições, a linguagem jurídica pode e deve ser usada. Agora, para escrever em suas redes sociais e em seu blog, utilize uma linguagem mais simples, explicativa, pensando sempre no que o cliente ficaria interessado.

Não adianta escrever sobre o mundo jurídico e suas alterações se isso não trouxer uma implicação prática na vida do cliente, pois ele não vai querer saber sobre algo que não influencia sua vida. Nada impede a citação da notícia ou alteração legislativa, mas somente compartilhar algo técnico sem explicar a relevância prática daquilo na vida de uma pessoa comum não vai atrair ninguém além de estudiosos da área do direito.

Seu conhecimento técnico enquanto advogado não será medido pelo cliente com notícias que ele não entende, nem por palavras rebuscadas. O cliente quer ter a segurança de que você sabe e que vai estar ali para lhe explicar o que ele quiser saber, ficando seguro de que pode confiar em seu profissional.

Seu cliente quer ler sobre seu problema, sentir que entende a dor que está passando e buscar uma solução. Para que isso aconteça é necessário falar a língua do cliente e atrair sua atenção com leituras que são realmente válidas para ele.

Banner para clicar e fazer download do guia de primeiros passos para marketing digital para advogados


Lucas Steinmetz

Formado em jornalismo, especializado em estratégias e técnicas SEO e Professor do Instituto IbiJus. Lucas Steinmetz começou sua jornada como analista SEO dentro de um escritório de advocacia e elevou o número de acessos no blog de 20 mil para 315 mil visitas por mês. Possui mais de 11 anos de experiência em produção de conteúdo para internet. Atualmente, trabalhando em um dos mais completos métodos de marketing jurídico focado em qualidade e resultados sem ferir as normas da OAB.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *