fbpx

Há pouco tempo atrás, a maioria dos advogados pensaria ser improvável que os meios de trabalho na área jurídica evoluiriam tanto e tão rápido ao ponto de permitir um trabalho 100% digital. Na realidade, alguns ainda pensam assim.

Mas já temos exemplos que comprovam que isso não só é possível como também está tendo uma ótima e vasta aderência por parte dos clientes dos serviços advocatícios.

Até porque se as formas de comunicação, de interação e até mesmo de consumo evoluíram com a tecnologia, por qual motivo a advocacia ficaria de fora?

A imagem mostra um homem comprando produtos de uma mulher em um balcão. O direito do consumidor é fundamental para garantir práticas de consumo justas e adequadas para quem consome.

 

E para você, advogado que atua no direito do consumidor, a transição tende a ser ainda mais fácil (principalmente se você for autônomo). Basta apenas a vontade de mudar e a adequação à essa nova forma de trabalho, pois seus clientes, em sua grande maioria, já estão no ambiente virtual, comprando produtos e serviços no e-commerce.

Então, para ajudar neste contexto, elaboramos esse artigo com algumas dicas exclusivas para os advogados que atuam no direito do consumidor.

Escolha seus clientes, defina seu público alvo.

Acredite! Se você tiver um bom site, um blog com um rico material de Marketing de Conteúdo, uma interação bacana nas redes sociais, e souber usar tudo isso a seu favor, a busca pelo seu escritório online pode ser tão massiva que você poderá (e precisará) escolher seus clientes.

Consumidor bem informado é consumidor que busca seus direitos. Por isso, nada melhor do que escrever sobre novidades que surgem na área do direito do consumidor, como novas leis, novos entendimentos jurisprudenciais, normas que favorecem o consumidor, entre outros, em seu site ou blog jurídico.

Sim! Mantenha-se informado e fale com seus futuros clientes, por exemplo, sobre a nova Resolução Normativa da ANS que trouxe mais coberturas para eles em seus planos de saúde; sobre o quanto eles podem ser recompensados quando uma companhia aérea é danosa ou sobre como a informação deve chegar para eles nos sites de compras pela internet. 

Além de você chamar a atenção dos consumidores para direitos que eles na maioria das vezes nem sabem que têm, dando motivos para que estes busquem um advogado para obter esses direitos, você se tornará justamente o advogado que eles vão procurar. Afinal, quem melhor do que você, que já sabe sobre o assunto e é referência no mesmo, para garantir uma causa ganha?!

Criar buyer personas é o ponto de partida para um excelente Marketing de Conteúdo, mas pode não ser uma tarefa fácil para quem está iniciando seu blog jurídico. É por isso que neste post queremos explicar como criar uma persona consumerista. Ele auxiliará advogados atuantes na área a atingir com maior impacto e efetividade os públicos que desejam.

O que são personas e persona do direito do consumidor?

Personas são “personagens fictícios” criados para representar os diferentes tipos de clientes que se pretende atrair. Cada persona representa uma personalidade dentro do seu público-alvo. Portanto, a persona consumerista é o perfil do segmento de mercado desejado pelo advogado que atua em direito do consumidor.

Modelo de Persona no Direito de consumidor: #1: Luiza, 35, empresária.

Digamos que você tenha se aprofundado na análise de casos contra companhias aéreas que prestam serviços de voos internacionais, que esteja por dentro dos julgamentos baseados na Convenção de Montreal e que deseje atrair clientes passando por alguma situação geradora de indenização nesse nicho de consumo. Você poderá criar uma persona que represente todas essas pessoas. Vejamos um exemplo:

Luiza; Mulher; 35 anos; Empresária; Casada; Viaja muito a negócios para fora do país e tem problemas com atraso de voos, perda de conexões e/ou extravio de bagagens.

Luiza é a persona consumerista que representa esse segmento de mercado que você deseja conquistar. Seus textos devem, então, ser direcionados para às necessidades de Luiza. Serão textos que:

  • ensinem “Luiza” sobre os direitos que são previstos aos passageiros de voos internacionais;
  • falem sobre as práticas ilegais que as companhias aéreas podem cometer;
  • tratem sobre as indenizações que os passageiros podem receber quando vítimas destas práticas;
  • aponte qual o meio que eles devem buscar para serem indenizados.

Modelo de Persona do Direito do consumidor #2: Carlos, 21, estudante.

Vamos imaginar agora que você deseja atrair pessoas que já estão inseridas na web, comprando no e-commerce e propensas a buscar soluções na internet. Você poderá criar uma persona que caracterize todos estes consumidores. Por exemplo:

Carlos; Homem; 21 anos; Estudante; Solteiro; Adora fazer compras pela internet e já teve problemas com entrega de compras, produtos incompatíveis com o anúncio ou preço anunciado de forma enganosa.

Os textos que você pode trabalhar para essa persona são textos que:

  • Eduquem a “Carlos” sobre os direitos que são previstos aos consumidores que adquirem produtos ou serviços pela internet;
  • falem sobre os deveres das lojas virtuais no e-commerce;
  • tratem sobre cancelamento de compras, troca de produtos e sobre indenizações em caso de lesão ao consumidor;
  • apontem qual o meio que ele deve buscar para garantir seus direitos.

Modelo de Persona do Direito do consumidor #3: Marcos, 50, CEO. 

Você poderá, ainda, aumentar seus ganhos direcionando seus textos para um público ainda mais seleto, como, por exemplo, consumidores de carros importados ou de imóveis de alto padrão. Afinal, quanto mais elevado os valores dos produtos adquiridos pelos consumidores, maior será o valor das indenizações.

Marcos; Homem; 50 anos; CEO de uma grande corporação; Casado; Tem filhos; Gosta de comprar muitos carros (ou) procura imóveis para comprar.

Você precisa elaborar textos que:

  • orientem o “Marcos” sobre os direitos que são previstos aos consumidores de automóveis (ou) de imóveis;
  • tratem sobre os deveres das montadoras e concessionárias (ou) das incorporadoras e construtoras de imóveis;
  • falem sobre recall/defeitos de automóveis (ou) sobre entregas/defeitos de imóveis adquiridos na planta, por exemplo;
  • apontem quais procedimentos ele deve tomar para ser indenizado por eventuais danos.

 Aumente seus resultados

Consequência óbvia de uma captação tão grande de clientela será o aumento do número de processos que você terá em seu escritório, bem como o aumento de seus lucros com estas ações. E quanto mais processos você atender e tiver êxito, mais espaço no mercado de advocacia consumerista você terá. .

Entretanto, não basta somar clientes. É necessário dar conta do trabalho. Isso porque não existe melhor propaganda para você do que seus próprios clientes falarem bem do seu trabalho a outras pessoas e/ou indicá-lo para amigos e familiares. Então, tenha em mente que quantidade não é qualidade.

 

Utilize ferramentas para trabalhar com altas demandas 

Busque sempre fazer o seu melhor e procure ferramentas que lhe auxiliem a suportar um grande número de demandas. Com uma maior quantidade de clientes, é preciso otimizar tempo ao mesmo tempo em que se dá um atendimento de qualidade aos mesmos.

Portanto, o ideal é que não se perca horas fazendo coisas que a tecnologia já faz por você.

Não seria bom se um software enviasse mensagens para os seus clientes com a movimentação do processo? Isso diminuiria a ansiedade do cliente e o deixaria satisfeito, não é mesmo? Ou quem sabe se um sistema gerasse documentos de forma automatizada, poupando-lhe tempo com preenchimento de documentos repetitivos? Ou ainda, um sistema que lhe permitisse gerenciar seus processos, a sua equipe, e até mesmo o financeiro do seu escritório? Isso tudo e muito mais a ADVBOX faz por você.

Com a plataforma certa você poderá alcançar ainda mais clientes e também manter sempre satisfeitos os que você já tem.

 Ultrapasse fronteiras

Com um escritório totalmente online, não existirá barreiras para você. Já pensou que você poderá atender clientes que estão em outros países? Isso na sua área seria ideal não é mesmo? Até porque, em tempos de e-commerce, não existem mais limites de territorialidade para consumidores ou lojas. Pense nisso como uma ótima oportunidade de acompanhar as necessidades do seu nicho de clientes em igual proporção e forma com que eles consomem.

Trabalhe de uma forma mais dinâmica

Se você utilizar um software jurídico como a ADVBOX para lhe auxiliar nesta empreitada, até mesmo a sua forma de trabalhar pode ficar mais interessante e dinâmica. O trabalho por jornada não será mais condizente com esta nova realidade, mas sim uma estrutura que lhe permitirá trabalhar voltado para a produtividade do seu escritório. Com o conhecimento correto, você poderá aplicar um novo método de trabalho para você e sua equipe, definindo metas e pontuações para todas as atividades e tarefas desenvolvidas nos processos.

Essa forma de trabalhar se chama “gamificação”, e ela é muito mais lúdica e agradável do que o velho cumprimento de horas. Com a ideia de um “game” em que você precisa cumprir determinadas tarefas para acumular pontos e chegar a uma meta, gera-se uma interação muito interessante entre a empresa e seus funcionários, com incentivos que estimulam o engajamento de todos.

 Aumente sua qualidade de vida

Como você não necessitará mais de um escritório físico e trabalhará por meio de tarefas e metas, você poderá fazer o seu trabalho dentro do tempo que quiser, fazendo home office total ou parcial. Assim, como consequência, é possível trabalhar em locais mais confortáveis, ter flexibilidade de horários, passar mais tempo com sua família, se especializar mais e/ou investir seu tempo no que desejar. 

Se convenceu?

Veja outras dicas de como atrair mais clientes na área consumerista com o e-Book gratuito de Marketing Digital para Advogados.


Eduardo Koetz

Especialista em Advocacia Digital, professor no IBIJUS e autor no blog da Koetz Advocacia e no Portal da Transformação Digital.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *